domingo, julho 01, 2012

Iron Sky


Interessante objecto cinematográfico este que visualizei no Cinema Troika o outro dia. Primeiro porque se trata de uma co-produção finlandesa/alemã/australiana, depois porque, se bem percebo, foi também financiado através de inúmeras doações individuais. A sua passagem pelos grandes ecrãs foi reduzida, mas, outro facto curioso, o próprio site oficial do filme tem uma secção chamada "Demand to see Iron Sky", onde, basicamente, recolhem assinaturas de todo o Mundo, de pessoas que apoiam o lançamento do filme nos seus países. Lisboa já tem 153 assinantes, o que, convenhamos, não é nada mau.
Quanto ao filme, baseia-se numa premissa tão simples como genial. No final da Segunda Guerra Mundial, um bando de Nazis foge para o lado obscuro da Lua onde estabelece uma colónia e tratam da sua vidinha nazi.
Obviamente que isso não dura para sempre e o facto de serem inadvertidamente descobertos desencadeia toda uma série de episódios rocambolescos, envolvendo um astronauta negro "arianizado" (don't ask lol), um iPhone capaz de pôr uma arma de destruição maciça nazi em andamento, não fosse ter ficado sem bateria e uma sósia da Sarah Palin como a inepta presidente dos EUA, entre outros 'bombons'.
Há um ambiente de "Dr. Strangelove" de Kubrick, mais lunático, mas não tão irónico.
A ideia é excelente, mas, temo dizê-lo, perde-se a meio caminho. Como li algures, "há poucos nazis" na história.
Em termos de efeitos visuais é realmente excelente e um "colírio para os olhos", mas quer-me cá parecer que se deu mais relevância ao que se vê do que ao que se quer contar. Obviamente que se trata de uma sátira ao mundo ocidental e ao seu equilíbrio precário de poderes e, lá terá de ser, ao sistema político americano. Ou seja, não se trata tanto de um filme-catástrofe com hordas nazis a invadirem a Terra, o que, por um lado, seria bem mais divertido.
Porém, a ideia que lhe está no cerne vale o tempo empregue a visionamentalizá-lo, sem dúvida.


Sem comentários: